18 janeiro, 2008

Devaneios noturnos.

Devaneios Noturnos.

Não, hoje não vou beber. Sai de casa “apenas” pra me misturar à vida, sentir os pulmões aspirarem poluição, confundir-me com o cenário e quiçá fazer parte de uma nova história.


Sei que faz tempo que não me sento nesse balcão pra prosear com vocês. A cabeceira já não é mais ocupado por um grande amigo que sempre propunha esses encontros, mas meu norte seguiu tranqüilo até aqui. Ah que inveja desse amigo, num desses momentos ele viu despontar um novo rumo e hoje não falta mais o sorriso em seu rosto.


Pensando bem, uma dose por favor.
Do que?
Do que quiser.


Continuarei aqui falando ao copo meu companheiro e você não precisa me dar atenção, continue servindo os outros boêmios tão alegres quanto eu e que com certeza vieram aqui por outros motivos que não disparar palavras ao vento. Pode até ser que um deles sentem-se aqui do meu lado e por alguns instantes queiram conversar até que o papo canse ou algum par de seios roube-lhe a atenção e mais uma vez me verei aqui, com meu monólogo.


Triste eu?
Não dessa vez!
Não, não é tristeza.
Claro que não!


Medo talvez seja a palavra correta. Incertezas aportam com a velocidade tamanha que o zumbido faz ecoar os pensamentos inebriando ainda mais meu estado de confusão que já acho tende a ser eterno.


Vim buscar respostas.
Um brinde!
Um brinde a vida.
Um brinde aos rostos, as expressões, as demonstrações.
Um brinde a “Inspiração”


Sim devaneios noturnos me inspiram. O néon azul de sorrisos viaja meus pensamentos e contrasta com os corpos descompassados que bailam a cada gole. A “jukebox” de bate papos nunca toca som repetidos e fazem dessas vindas ao bar um convite profundo a introspecção. Creio que sou o único que vem ao bar beber vida. Mergulho de cabeça nos perfis espalhados, descarto os sinceros, deixo-me ser seduzido pelos vulgares e torço pra que meu ostracismo gerem negras pérolas pra mais uma segunda feira nascente ao leste.


Futuro já não me assusta mais.
Mas de ti presente que tenho medo.


Sei o que o futuro me reserva conheço cada detalhe dos planos que eu tracei e como vou alcança-los. Sim é de você presente que tenho medo! Você o Senhor do Tempo que cruza os caminhos tão insólitos e faz me arrepiar as angústias, ¿quando é você presente?


Hoje?
Agora?
Esse instante?


O quer comigo?
O que aconteceria se continuasse aqui para e não mais nada falar...


























Suas engrenagens dentiçadas continuariam a mover, se mover, mover-me. Suas linhas fantoshicas manipuladoras me levariam para um outro devaneio e aos meus amigos populares conseguiriam entender a batalha que travaria com seu companheiro ardiloso chamado destino se eu não quisesse mais agir. Os fatos agiriam por mim?¿ Ficaria aqui sentando com o copo na mão enferrujando no tempo.


Tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po, tem po.


Outra dose.
Mais uma dose.
Dose dupla.


Já estou embriagado em meu próprio monólogo.
E você presente ainda não me respondeu.
Resta-me apenas levantar e esquecer que estive aqui essa madrugada e continuar traçando meu futuro.


Obrigado.
Um brinde.
Um brinde a ti.

6 comentários:

_Ton_ disse...

Rogério, as vezes tu escreve uns textos q me assustam de tão bons... a cena foi montada na minha cabeça, e revisitada em dejà vus gigantescos...
É, conheço bem...
Abraço

Du disse...

É do presente que também tenho medo...
Lindo texto, Rogerim!
Parabéns!

Beijos

Du disse...

Beijos, kisses, besos, tudim pra ti, Rogerim!!!

Du disse...

(AMEI!!!)

Borboletas são tão belas o que seria delas
se não pudessem voar?
O céu e as estrelas não poderiam vê-las passar
Lá fora eu vejo um mundo
e sinto lá no fundo
que aqui não é o meu lugar
Eu sou pequenininha e fico aqui sozinha a sonhar
O meu coração me diz
que ainda posso ser feliz
Voar para bem longe como eu sempre quis
Um dia eu tive a chance de ter ao meu alcance
o que fez transformar
sonho em realidade, escuridão em brilho no olhar
Eu vi que na verdade
a dor um dia pode ter fim
Achei a liberdade, ela tava dentro de mim
O meu coração me diz
agora eu já sou feliz
Voei para bem longe como eu sempre quis...

sooz disse...

eu é que quero ser que nem vc! texto incrível!

e eu tb tenho medo do presente...

Gi disse...

Ro tu tá cada vez melhor hein....Parabéns...Texto brilhante...Bjs