11 maio, 2007

Gostaria de pedir licença a todos, pois resolvi cantar. Já aviso que sou desafinado, nunca fiz aula alguma, mas aprendi com algumas pessoas muito importantes pra mim e acima de tudo depositaram em mim uma confiança imensurável. Em uma dessas conversas eles disseram pra fechar os olhos e deixar o coração ditar o ritmo, e foi assim e vai ser assim que vou cantar pra vocês.

Incrível como a música pode pautar os melhores momentos de nossas vidas, e em dias de visita do Papa ao Brasil, meu coração saudoso me pediu pra voltar a cantar.

Acho engraçado pra caramba quando ouço as pessoas dizendo que se arrepende somente das coisas que não fizeram, acho isso uma tremenda bobagem, porque se pudesse voltar no tempo teria pelo uma coisa que não teria feito, esse problema me jogou pra baixo me fez pensar em desistir de viver por muitas vezes, mas teve um momento que ouvi essa música e ela falou tão forte comigo, que ainda me pego cantando baixinho quando as dificuldades parecem maiores que a vitória.

“Confuso estava o meu coração, quando eu cheguei aqui, não estava em sintonia com o senhor, mas ao desenrolar do dia, eu pude perceber. A paz que eu sempre quis, estava no silêncio que eu nunca fiz e de repente uma brisa mansa, abriu meu coração, mergulhei nesse amor de Deus”

Com certeza vou esquecer de alguma música!
Mas tem uma outra que é por demais importante pra mim.

“Deus vê o coração, sonda com a compaixão, sabe o tamanho da sua dor. Ele não pode por limites no seu amor, pois sabe até onde vai todo pecador. Lagrimas são suor de almas que lutam só. Só Deus pode entender o que lhe causa dor. Pense no seu senhor, recorra ao seu amor e creia ele é Fiel, justo é o seu amor
Pare de se maltratar,
Não queira aos outros culpar,
Diga por hoje não, POR HOJE NÃO VOU MAIS PECAR,
Estenda a tua mão e abra o seu coração,
Volta pro seu senhor e se abra a restauração.
Com Cristo você vai superar, todas as barreiras passar, todo o pecado vencer,
E um novo homem, vai nascer!


Só de lembrar a primeira vez que ouvi essa música, fico arrepiado. Estava de mãos dadas com um amigo, que dava a mão a outro e formávamos um circulo enorme, e ouvíamos um coro de cantando, cada lágrima que rolava pelo meu rosto, me indicava que da por diante seria tudo diferente na minha vida. E com certeza foi.

Participei do grupo de jovens por um longo período de tempo, não fui o jovem mais correto, nem o mais sincero, vivia um conflito entre as coisas que gostaria muito de fazer e as coisas que a Santa Igreja prega, mas mesmo assim dei um voto de confiança meio desconfiado e fui vivendo meus dias por lá até onde pude. Nesse meio tempo conheci muita gente, fiz muitos amigos, e meu pedido de se tornar instrumento foi atendido. Fazia as coisas de um jeito meio torto, sim fazia, mas fazia tudo de coração, depositava todo meu amor, cada vez que tentava cantar.
E um dia fui presenteado com uma canção.

“João era o discípulo amado de Jesus, Em seu coração havia grande necessidade do seu amor, aos pés da cruz vendo seu mestre partir, quanta solidão, já não sabia a onde ir, Disse Jesus: Mulher! Eis ai o teu filho, filho, eis ai tua mãe.
Se a saudade aperta ainda o teu coração, e a estrada deserta não parece ter fim, hoje deixo contigo, força e direção. Olha pra ela e espera por mim, não temas em recebe-la por mãe.
Será o teu consolo,
Teu colo materno,
Pois lá, esta o esposo,
Ama-a, ama-a, ama-a!


Lógico que essa música não foi composta pra mim. Mas só de fechar os olhos, me sinto meu corpo no alto da cruz, a barba pinicando, o vento gelado, e uma galerinha cantando junto comigo. Por alguns minutos assumi o papel de Cristo e meus olhos marejam só de pensar!

Apesar das músicas tristes e das mensagens de consolo, foram os momentos mais intensos e felizes da minha vida. Tem uma musiquinha que ainda não sei cantar, mas eu dançava ela que era uma beleza. Ela é mais ou menos assim:


“Tantas vezes você insistiu falar, Minha vida bem podia ser melhor, Convivência com os outros nem pensar. Se afastava pra não se decepcionar. Só não imaginou que tudo que se encontra, Nem sempre é um caminho a mais, Pra realmente ser feliz, Quero lhe contar que a chave do segredo, Que o leva em fren...te é o amor acreditar no amor...
Só o teu amor, só, só o teu amor, muda minha vida,
Só o teu amor, só, só o teu amor...
Faz eu ser melhor
Só o teu amor, só, só o teu amor, muda tudo ao meu redor
Só o teu a......mor, Senhor...
Acreditar no amor
Dentro de você existe algo bom, Contagia todo mundo ao seu redor, Ser feliz também implica em ser melhor, Tem que ser do interior pro exterior”

Essa música ai de cima tem uma levadinha legal pra caramba, lembra as batidas do James Brow, e eu o Underson, os negãos da turma, mandávamos bem.

Cara, acho que fico aqui a noite toda cantando essa músiquinhas pra vocês. A ta duvidando que eu canto, quando me encontrar no meio da rua, comenta esse texto e pede pra eu cantar, pra ver se eu não canto. Vou tentar não me alongar muito e vou cantar mais umas três musiquinhas no máximo.

Essa então nem se fala, só de lembrar da um misto de revolta e felicidade, revolta por ter um sonho interrompido por conta da inveja alheia, por conta de atos não pensados e que afetaram por demais o futuro de um grupo, que tinha suas falhas, mas só queria ajudar muitos jovens e oferecer uma opção de vida alegre, sem drogas, com um dialogo maior, sem precisar ficar com varias pessoas numa noite para confirmar sua virilidade. Hoje em dia isso tudo sou contraditório com minhas ações, mas cantando essa música em quanto escrevo pra vocês. Lembro do Leandro dedilhando o violão e dizendo as palavras que mudariam minha vida. No momento que eu ouvi essa música me tornava coordenador do grupo de jovens ÁGAPE.

“É preciso crer, que existe um Deus, que te ama, acima de qualquer coisa. De nada vale o homem, sem a fé no seu senhor, é semelhante à um corpo sem vida. Não seja como Pedro que duvidou, quando já estava caminhando sobre o mar, Ser como Abrão que confiou em Deus e acreditou até o fim.
Vai correndo ao encontro do pai, ele espera ancioso por ti, não desista dá um passos e verá, com os olhos da fé, que em sua vida, tudo ira mudar e de coragem ele vai te encher, dará forças para continuar a caminhar”


Vou cantar só mais, umazinha! Você já me aturou até aqui, e ta sendo tão bom, relembrar essas músicas, O Padre Marcelo vive falando que quem canta reza duas vezes, e quando eu cantava me sentia mais perto de Deus, e hoje estou assim reconfortado. Conversando com uma amiga no msn, a Are, a louca que falou que eu tinha que cantar, ela disse que saudade e relembrar faz revivermos algo que foi bom em nossa vida. Ela tem razão! Dias desses fui a um evento do grupo de oração, me senti totalmente deslocado, fora de sintonia com tudo que estava acontecendo, hoje pratico minha religiosidade de outra forma. Compareço a missa, quando meu coração clama por isso, mas nem por isso deixei de cantar pra Deus, sempre converso com ele, e to sempre confidenciando meus pecados. Não comungo a muito tempo, porque não gosto de me confessar ao padre, e segundo os ensinamentos que tive na minha catequese, devemos confessar tais pecados ao padre, para que ele possa nos ajudar a diminuir a culpa e levar os pedidos de desculpa a Deus. Desculpe, mas não concordo com isso. Por isso minha comunhão com Deus, faço, com pão, faço com meus amigos, em alguns momentos de oração, momentos esses que somente nossos corações se elevam a Deus.
Vou cantar só um trechinho!

“ Senhor quando te vejo, no sacramento da comunhão, sinto o céu se abrir e uma luz a me atingir, esfriando minha cabeça e esquentando o meu coração. Senhor graças e louvores, sejam dadas a todo momento, quero te louvar na dor, na alegria e no sofrimento, e se em meio a tribulação, eu me esquecer de ti, ILUMINA minhas trevas com tua luz”

E pra finalizar a música que com certeza considero a mais linda do mundo, única e exclusivamente por conta de sua simplicidade. Simplicidade essa semelhante a de Maria, que cuida e zela pelo seu filho humilhado e desfalecido em seus braços. Simplicidade de mãe que ama sem pedir nada em troca, que ama incondicionalmente mesmo que o filho seja o mais errante. Em minhas orações felicito a Deus, Agradeço a Cristo e Coloco meus problemas no colo materno de Maria.

“Ave cheia de graça bendita sejas mãe, te amo com amor eterno, singelo de coração, quero então colocar, minha vida em suas mãos, sentir que podes ninar-me, mãezinha, com sua proteção!
EU QUERO DEIXAR
QUE O SEU PLANO EM MIM
POSSA REALIZAR SEM LIMITAÇÕES
E quero tentar, sem porem saber, ser um pouquinho do que tu és!


Pra quem chegou até aqui na leitura! A paz de Cristo e o Amor de Maria!
Grande abraço!

06 maio, 2007

Novidades

Fala galera da Fuzarca!

Num é que escrever a história do pequeno R, está se tornando um vicio prazeroso, ja tenho alguns textos de frente, mas vou postando calmamente, por que ler na frente do micro é um saco, ainda mais se o texto for longo, e é lógico pra garantir a visita de vocês.
Pórem, para que o Depois da minha viagem seja preservado e não tenha suas caracteristicas desvirtuadas. As aventuras amorosas de Mr R, estão migrando para um espaço próprio e dedicado a apenas ele.
fiquem a vontade para visita-lo em

outra novidade é

"Três"
um blog:
Em que Três estilos, três personagens, três culturas, três personalidades, três vidas. se cruzam em textos, idéias e discussões. Escolha o seu e seja feliz.

O dragão de três cabeças é comandado por:
Ton Araujo
Marcio Brigo
e por eu Rogério Ferreira!

esperamos vocês em:

Abraços!

02 maio, 2007

1.1 Os primeiros beijos!

As aventuras amorosas de Mr R

1.1 OS PRIMEIROS BEIJOS


O primeiro beijo, ou poderíamos afirmar os primeiros beijos!
A grande pergunta dentro das pequenas perguntas é como falar de aventuras amorosas sem falar dos primeiros.

Como R sonhará com tal fato!
As imagens lindas cinematográficas sempre ditavam o ritmo lento da cena se repetindo, de um lado a prometida, que vinha em sua direção, devagar como se aquele segundo fosse o mais eterno do mundo, olhos extasiados, mãos suadas, boca semi aberta, e a boca sempre a boca, todo o corpo convergia pra boca, os olhos, as mãos, a boca, os ouvidos, a barriga que suava fria, a boca, as pernas trepidas, a respiração rapida e o despertador!


A idade vai ser difícil de lembrar, mas o pequeno R, lembra que férias era sinônimo de visita a sua casa da avó. Lá o mês passava voando entre as brincadeiras. Pega pega, esconde esconde, a patrulha salvadora que pulará da tela da TV direto para o clubinho, com direito a toque secreto e bugigangas a la professor Pardal. Entre um jogo de futebol e as descidas pelo barranco, entrava em ação a grupo das meninas. E tinha uma menina no meio do caminho, no meio do caminho tinha uma menina. Baixinha, folgada, atrevida, mandona, nervosa e a mais linda. Éramos todos amigos e odiávamos meninas inclusive o R, que era quem mais odiava meninas, que gostavam dos meninos, e queriam descer de carrinho de rolemã, empinar pipa e fazer parte da patrulha salvadora.

O que isso?
Um pelo oras!
De onde ele veio?
Vo saber!
Quando ele veio?
Sei la! Quando acordei ele tava ai!
Caralho que da hora!
Acho que com os pelos veio também os interesses por meninas!
Mas o clubinho, as meninas e o fato de meninos odiarem meninas!
ah deixa pra lá, elas parecem ser legais.
O que é aquilo ali na A.
Parece um peito!
Quando apareceu?
Num sei, mas eles são legais!

Agora férias na casa da avó era sinônimo de futebol, clubinho, mãe da mula, pião, papagaio, bailinho e pêra uva maça salada mista!

Sábado a noite, R colocava sua melhor camisa por dentro da calça, penteava com vontade o cabelo e caminhava para o fatídico e mortal bailinho, com suas músicas lentas em que meninas dançam proximas de meninos. Proporcionalmente 5 meninos para cada menina. Eles de um lado, elas de outro, meia luz, que só pai do M.A conseguia fazer, fitas mixadas pela C, e a vassoura dançarina correndo de um lado para o outro pelo baile.

R tinha lugar cativo no canto da parede vendo todo mundo bailar, seu olhar era sempre pra ela, que as vezes olhava pra ele. Vai la R dizia pra si mesmo, pra que ela vai te esnobar respondia, mas se você num for nem te esnobar ela vai retrucava, eu vou dizia decidido, mas depois de tomar refrigerante, ir no banheiro, falar com M.A, puxar o saco do pai do M.C, brincar com o cachorro, e voltar para o canto cativo e tomar coragem pra ir lá.

Oi!
Oi!
A vassoura começa contigo na próxima dança!
O que?
Pega a vassoura logo!

R poderia ficar todas as músicas do mundo dançando com a vassoura. Mas tinha uma menina no meio do caminho.
continua...