04 julho, 2012

Relutei muito por esse momento, mas enfim ele chegou, assim como tantos outros.

Escrever para mim sempre foi algo prazeroso, pra falar a verdade algo que transcende o prazer, foi e era  algo libertador, o único momento em que podia tudo e que me permitia tudo, as palavras mostravam os sentimentos de forma mais clara, e os pensamentos se tornam menos confusos, tudo fica nítido, calmo.

Esse espaço me proporcionou auto-critica, o flagelo, a auto-piedade. Mergulhar de cabeça em dores e dividi-las com vocês me fez crescer anos em minutos. Nunca quis ser escritor, nunca alimentei esse desejo, mas quando o numero de visitas e comentários eram grandes confesso que fiquei tentado, foram tantos blogues que se tornaram livros, porquê o meu não.  

Me proporcionou também fazer amigos, compartilhar ideias, e ser incluído no mundo chamado blogosfera, me lembro com muito orgulho e carinho do convite para me juntar ao time de blogueiros Editora Abril, projeto que abandonei muito antes de começar. Vou me lembrar dos tantos outros blogues que participei, dos tantos outros blogues que criei.

Contudo, escrever deixou de ser algo tão incrível assim, me expor trouxe tantas outras dores de cabeça que nunca imaginei, aquele velho ditado fez todo sentido a partir deste espaço, quem fala o que quer ouve... 

Mas o fato principal é já não tenho o mesmo tesão de antes, poucas vezes visito aqui e aos poucos esse espaço foi ficando abandonado, o tornei mais solitário agora do que no inicio. 

Veio a vida adulta, trabalho, falta de tempo, faculdade, dividas,  amores, desamores, dificuldade em me expressar, obrigatoriedade em escrever e isso foi sufocando minha vontade de escrever. 

Agora as querencias são outras, o pouco tempo livre tenho que me dedicar a outras coisas e para que possa faze-las por inteiro e não permitir que meu amigo continue solitário, venho aqui me despedir.

Este será o ultimo post nesse espaço, a ultima VIAGEM, a ultima VIAJEM, vou levar na bagagem todos os bons momentos e me permitirei visitar os arquivos e continuar sentindo orgulho de tudo que escrevi e tudo que vivi.

Aos amigos leitores e visitantes muito obrigado por tudo, aos incentivadores faltam palavras para retribuir tudo o que fizeram por mim. Um agradecimento especial ao Julio que me emprestou Depois Daquela Viagem e a Valeria Polizzi que mesmo sem saber da nossa existência foi sempre um referencial para esse espaço amigo.

Com muito aperto no coração mas feliz pelas novas escolhas, um grande abraço pra galera da FUZARCA!

Rogério Ferreira
Blogueiro de coração

      

   

28 março, 2012

Gen

Tenho lido muito menos do que gostaria e a razão pura preguiça mesmo, antes aproveitava o tempo ocioso no transporte para colocar a leitura em dia, mas depois do advento da internet móvel e do meu casamento com fones de ouvido e mp3player confesso que a leitura foi relegada a 5º plano.

Meu gosto pela leitura é um tanto quanto duvidoso, mas gosto é gosto, ainda prefiro um livro de fantasia aos de auto-ajuda e nessas de tentar retomar o habito de ler tomei coragem e saquei da estante GEN - Pés descalços, uma história de Hiroshima.

Apesar de ser um mangá, o livro preserva o sentido de leitura ocidental e conta a história de GEN um menino de 7 anos que tem sua vida completamente mudada por conta da segunda guerra mundial, especificamente com as consequências Pós bomba atômica que destruiu a cidade de Hiroshima. 

Nem preciso ressaltar que o mangá/livro é sensacional, a arte simplista de Keiji Nakazawa te prende do primeiro ao ultimo quadro. Leitura indispensável.    



Bom, não vou me estender sobre o mangá ou seu autor, porque na internet você encontra facilmente diversos artigos sobre a obra, mas um fato não poderia passar diz respeito ao prefácio de GEN  que é assinado por Art Spiegelman autor da aclamada graphic novel MAUS que retrata a perseguição sofrida pelos judeus no período do holocausto.


20 março, 2012

Dog days are over

Enquanto as velhas viagens parecem dormir tranquilas e a cobrança por fazer deste local um lugar único serem bem menores, o vistarei com mais tranquilidade e porque não, pra falar das banalidades e (sic) "rotineirisses" dessa vida de casa trabalho, trabalho casa e suas pequenas descobertas, se não é isso amadurecer, talvez esteja no caminho errado.

Abrindo trabalhos e pra começar bem o dia, fico com o som de Florence and The Machine (http://florenceandthemachine.net/) banda que conheci através da Paula e passou a figurar entre as mais tocadas no player.

Segue Dog days are over


E como diz o titulo os dias de cão acabaram e tudo isso graças a você, mas queria mesmo dizer é que "a felicidade me atingiu como um trem nos trilhos". Obrigado

Dog Days Are Over Florence And The Machine
Happiness hit her like a train on a track
Coming towards her stuck still no turning back
She hid around corners and she hid under beds
She killed it with kisses and from it she fled
With every bubble she sank with her drink
And washed it away down the kitchen sink


The dog days are over
The dog days are done
The horses are coming
So you better run